Santander apoia sociedade Notícia

O Banco Santander em Portugal investiu 7,8 milhões de euros no apoio à sociedade ao longo de 2018, num sinal do elevado compromisso. Com o fecho do ano, o valor total investido desde 2013 supera já os 40 milhões de euros.
O «Relatório de Banca Responsável», agora apresentado pelo Santander, foi verificado externamente, pela primeira vez, pela PwC, e segue a metodologia GRI Standards – Global Reporting Initiative.
O Santander actua em áreas onde a sua atividade pode ter um maior impacto e contribuir para o desenvolvimento das pessoas e das empresas. Em 2018, apoiou 330 associações, em causas ligadas a educação, protecção de menores, saúde, incapacidade, inclusão social e cuidado a idosos, com um impacto directo em 23.981 pessoas. No ensino superior, desenvolveu em Portugal importantes iniciativas através dos 52 acordos de colaboração que tem com as instituições da área, tendo atribuído 1.100 bolsas e prémios. O Prémio de Voluntariado Universitário e o European Innovation Academy foram alguns dos eventos em destaque.
Pedro Castro e Almeida, presidente executivo do Santander em Portugal, explica no documento: «Só implementando um modelo de banca responsável, verdadeiramente transversal a toda a nossa organização, iremos contribuir para o equilíbrio entre o crescimento económico, o bem-estar social e a preservação do meio-ambiente.»
No relatório, o Santander apresenta também a sua estratégia nesta matéria e dois grandes desafios: novo ambiente empresarial e o crescimento inclusivo e sustentável.
O primeiro surge num contexto de constante evolução (digitalização, plataforma aberta de serviços financeiros, serviço ao cliente, etc), tendo o Santander definido alguns parâmetros de actuação: uma sólida cultura corporativa – retratada pelo Simples, Próximo e Justo, uma equipa capacitada e comprometida, práticas de negócio responsáveis, cultura de riscos, criação de valor para o accionista e compras responsáveis.
O segundo desafio passa por um crescimento que promova a inclusão e a sustentabilidade. Nesse sentido, foram definidos alguns objectivos. Na inclusão: satisfazer as necessidades dos clientes, ajudar os empreendedores a abrir empresas e criar postos de trabalho, fortalecer as economias locais e combater a exclusão financeira e ainda ajudar as pessoas a obter a educação e a formação de que precisam. E ser sustentável: através do financiamento a energias renováveis, do apoio a infraestruturas inteligentes, novas tecnologias agrícolas e produtivas mais eficientes e sustentáveis, e contribuir para uma economia de baixo carbono.
Neste propósito, o Santander tem vindo a reforçar o seu compromisso para reduzir a sua pegada ambiental, tendo implementado várias medidas, como o projecto «plástico zero», substituindo os plásticos de uso único por vidro, e a eletricidade verde, que pretende começar a adquirir em Portugal em 2019. No ano passado, o Santander lançou também o seu primeiro fundo sustentável em Portugal.
O «Relatório de Banca Responsável 2018» está disponível no ‘site’ do banco, aqui.
07.05.19

pub3